CONVÊNIO COM O IPSM

sábado, 4 de julho de 2015

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Próxima semana reserva debate da matéria no Senado

Ao contrário da Câmara, votação deve demorar bem mais


Senador Anastasia é a favor da redução da maioridade penal
O Tempo
O Senado começa a discutir na próxima semana a redução da maioridade penal, após a Câmara ter aprovado, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171, de 2013, que diminui de 18 para 16 anos a idade mínima para a imputação penal nos casos de crimes hediondos, como homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.
Ao contrário da Câmara, no Senado, a discussão promete ser mais longa. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinou aINSTALAÇÃO DE uma comissão especial para discutir o assunto. O objetivo é tentar garantir um certo consenso entre os senadores e evitar polêmicas e desgastes, como ocorreu nesta semana na Câmara.
Há duas propostas sobre o assunto tramitando no Senado, que devem ser levadas em conta pelo colegiado. Um projeto de lei de autoria de José Serra (PSDB-SP), que prevê uma mudança no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), com a prorrogação de três para oito anos no tempo de internação de adolescentes que cometerem crimes hediondos.
Outro texto é uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do também tucano Aloysio Nunes (SP), que reduz a idade mínima penal de 18 para 16 anos em caso de crimes hediondos. Uma comissão formada por um promotor de Justiça e um juiz da Vara da Infância e da Juventude vai ser responsável por decidir se o adolescente será ou não preso.

Com habeas corpus preventivo negado, Dirceu está nas mãos da Lava-Jato

Tribunal nega pedido do ex-ministro, suspeito de participar de esquema de corrupção. Com a decisão, juiz pode decretar prisão se julgar necessário

Estado de Minas gerais
Brasília – O desembargador substituto do Tribunal Regional da 4ª Região Nivaldo Brunoni negou, na tarde de ontem, o habeas corpus preventivo em favor do ex-ministro José Dirceu que havia sido impetrado na quinta-feira para tentar evitar uma possível prisão do petista na Operação Lava-Jato. No despacho, o magistrado salientou que “o mero receio da defesa não comporta a intervenção judicial preventiva”.

De acordo com Brunoni, o fato de Dirceu ser investigado e apontado no depoimento do lobista Milton Pascowitch como beneficiário do esquema de corrupção na Petrobras não resultará necessariamente na prisão processual. “Até mesmo em face do registro histórico, as prisões determinadas no âmbito da Operação Lava-Jato estão guarnecidas por outros elementos comprobatórios do que foi afirmado por terceiros”, avaliou o desembargador substituto.

Minas Gerais vai aposentar todos os servidores efetivados pela Lei 100

Servidores efetivados que tiverem tempo de trabalho para deixar a ativa até o fim deste ano serão vinculados à previdência do estado, encerrando uma longa polêmica

Estado de Minas
O governo de Minas Gerais vai aposentar todos os servidores efetivados pela Lei 100/07 que completarem os requisitos para requerer o benefício até 31 de dezembro deste ano. São aproximadamente 8 mil pessoas nesta situação. O anúncio foi feito ontem pelo governador Fernando Pimentel (PT) durante evento em Passos, Sul de Minas, onde participou da instalação do Fórum Regional de Governo – Território Sudoeste. Desde março do ano passado, quando os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) declararam a inconstitucionalidade da Lei 100 – com o argumento de que eles não fizeram concurso público para ocupar os cargos –, havia uma polêmica sobre a qual regime eles seriam vinculados: à previdência estadual ou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Mãe Dilma esta naufragando (blog): Dilma tem o desafio de manter Temer como articulador político para evitar nova tempestade

Depois de convencer o ministro da Justiça a não abandonar o barco, presidente tenta manter Temer. Sem ele, o receio é de que a crise se agrave

Estado de Minas
A presidente Dilma Rousseff convenceu ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT-SP), seu homem de confiança, a permanecer no cargo, apesar do incessante fogo amigo de petistas insatisfeitos com os rumos da Operação Lava-Jato. Essa vitória pessoal da presidente está, no entanto, muito longe de significar uma calmaria no seu conturbado segundo mandato. Vencida a luta para manter Cardozo, Dilma, agora, terá de se empenhar para não perder outra peça-chave: o articulador político do governo no Parlamento, o vice-presidente Michel Temer (PMDB), desgastado pelos embates de seu partido com o PT.

Para aqueles que são contrários a redução da maioridade e que acham que no lugar da redução deveria haver mais educação, esse é um dos casos em que os coitadinhos tinham a "tal educação" mas preferiram praticar a maldade (blog): Alunos estouram bomba dentro de escola e ferem professora

A profissional, de 55 anos, teve sangramento na boca e fortes dores de cabeça e no ouvido

Seis alunos foram parar na delegaciaRecord Minas
R7
Uma professora ficou ferida depois que alunos estouraram três bombas dentro de uma escola municipal em Montes Claros, no norte de Minas Gerais. Seis adolescentes acabaram indo para a delegacia.
Os estudantes, com idades entre 13 e 16 anos, foram ouvidos e liberados em seguida. As bombas foram estouradas na quadra da escola, durante um torneio.
A professora, de 55 anos, teve sangramento na boca e fortes dores de cabeça e no ouvido. Ela foi levada para a Santa Casa da cidade. As bombas não chegaram a atingir a professora. A diretora disse queela passa bem e que os alunos que soltaram as bombas já tinham histórico de problemas e até a polícia foi chamada para alertar os menores sobre mau comportamento.
Os rapazes estariam com outras 14 bombas e descartaram os artefatos depois da confusão. Nenhum deles tinha passagens pela polícia. Em nota, a Secretaria Municipal de Educação da cidade informou que vai tomar as medidas necessárias e que a Polícia Civil vai investigar o caso.

Vítima de acidente que esperou 12 horas por socorro pode ficar paraplégica

Marco Antônio Cassimiro, de 31 anos, passou a madrugada no frio, às margens da BR-491

Operador procurou abrigo nas ferragens para se proteger 
do frio
Record Minas
R7
Um operador de máquinas esperou 12 horas para ser socorrido depois de sofrer um acidente na BR-491, no sul de Minas Gerais. Marco Antônio Cassimiro, de 31 anos, corre o risco de ficar paraplégico.
O motorista ia de Varginha para Paraguaçu quando, ao tentar fazer uma curva, acabou invadindo a pista no sentido contrário. Ao tentar levar o carro de volta para o outro lado da rodovia, perdeu o controle e capotou.
Cassimiro conseguiu sair do carro pelo banco do passageiro, mas como não estava sentido as pernas não conseguiu se mover. Para buscar abrigo contra o frio enquanto aguardava o socorro, ficou embaixo das ferragens.
O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) levou o operador para o hospital de Varginha, onde os médicos detectaram uma lesão na coluna. Ele passou por cirurgia e pode perder o movimento das pernas.

Único na região, IML de Montes Claros pode ser fechado

Vigilância Sanitária atestou falta de estrutura de posto que atende 40 cidades 

Gravação mostra instalações eletrícias precáriasRecord Minas
R7
A Vigilância Sanitária pode determinar o fechamento do Posto Médico Legal de Montes Claros, no norte de Minas, por problemas graves de estrutura. As condições precárias de trabalho prejudicam a prestação do serviço de medicina legal do posto, que é o maior da região e atende a 40 cidades. 
Vídeos recebidos pela Record detalham a precariedade: macas enferrujadas, ferramentas expostas, paredes danificadas, equipamentos sem funcionar por conta da rede elétrica improvisada. Isso em um ambiente onde ocorrem necrópsias de vítimas de violência e exames de corpo de delito. 
O coordenador da Vigilância Sanitária, José Osmando Mendes de Aquin, explica que a situação é insustentável. 
— A parte principal é com relação à infraestrutura. O prédio foi construído há muitos anos e não atende às normas sanitárias exigidas. Do ponto de vista sanitário, qualquer estabelecimento que não cumprir o que é proposto é passível de interdição.

Esse lugar é para se cumprir pena e não uma área de laser, se querem encontros íntimos que não cometam crimes (blog): Líderes de facção reclamam de falta de espaço para visita íntima em presídio

CPI do Sistema Prisional visitou penitenciária onde está cúpula do crime organizado

Cúpula do PCC está na Penitenciária 2 de Presidente VenceslauAlex Silva/14.05.2006/Estadão Conteúdo
R7
Detentos da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde estão as lideranças da facção criminosa PCC, queixaram-se do espaço na unidade prisional destinado a visitas íntimas durante visita de integrantes da CPI do Sistema Carcerário Brasileiro, afirmou o deputado Major Olímpio (PDT-SP), um dos integrantes da comitiva.
— Em comparação com Pedrinhas, no Maranhão, que também visitamos recentemente, o presídio de Venceslau tem uma estrutura excelente. O presídio não está superlotado. Mas a questão da visita íntima é complicada. Eles [os detentos] dizem que, na cela, onde ficam a nove presos, alguns presos têm visita íntima ao mesmo tempo em que crianças visitam outros detentos.
O deputado afirma que, nessas condições, seria melhor acabar com as visitas íntimas.
— [A visita íntima] é uma solução brasileira para aliviar a tensão nas cadeias. É como jaboticaba: só tem no Brasil. Mas traz muitos problemas. Inclusive para a segurança da visita. Já houve caso de visita estrangulada pelo preso. Ou seja: em nome da intimidade, uma moça foi morta dentro de um local onde o Estado deveria zelar pela segurança.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

18° BPM recupera veículo roubado no bairro Arcádia

Nessa quinta-feira (02), os militares da 131° Cia receberam informações que o veículo Ideia Adventure acabara de ser roubado no bairro Arcádia. Em rastreamento, a guarnição conseguiu localizar o veículo prender o autor apreendendo também em seu poder uma pistola calibre 7.65.
            O autor preso e material apreendido foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil para as devidas providências.
Assessoria de Comunicação 18° BPM

Polícia investiga agressão sofrida por empresária na porta de escola em BH

Briga entre empresária e comerciante, que terminou com agressões físicas e verbais e carro danificado em rua do Bairro Santa Lúcia, começou após discussão no trânsito

Delegada Cristiana Gambassi mostra foto
do carro amassado da empresária Cristiana Viana,
que foi agredida com socos no rosto -
Vítima(D) ficou com hematomas no rost
Estado de Minas
A Polícia Civil abriu inquérito para investigar as agressões sofridas pela  empresária Cristiana Maria Villas Boas Viana, de 50 anos, durante briga de trânsito na porta de uma escola no Bairro Santa Lúcia, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, segundo informou a delegada do 1º Distrito Policial, na Rua Carangola, no Bairro Santo Antônio, Cristiana Gambassi Angelini.

No boletim de ocorrência feito pela Polícia Militar, Cristiana diz que foi espancada pelo comerciante Carlos Henrique Turner Lapertosa, de 35 anos, ao tentar ultrapassar o carro dele parado em fila dupla na porta da escola, na tarde de quarta-feira. Imagens gravadas por testemunhas mostram a empresária sendo agredida com socos no rosto. Com nariz fraturado e traumatismo craniano leve, ela foi socorrida no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) e depois passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). A mulher do comerciante também é acusada de puxar os cabelos de Cristiana. O casal deixava uma filha de 2 anos na escola.


Cristiana é filha da socialite Ângela Diniz, conhecida como a Pantera de Minas, assassinada a tiros em dezembro de 1976, em Armação dos Búzios, litoral do Rio de Janeiro. O crime, que comoveu o país na época, foi cometido pelo companheiro dela, Raul Fernandes do Amaral, o Doca Street.

Veja imagens da agressão


A filha de Ângela, que era adolescente na época, até hoje não se conforma com a tragédia. “Estou sentindo na pele a violência que a minha mãe sofreu. Isso prova que nada mudou nestes 40 anos”, lamentou. A empresária admite que cuspiu no empresário ao ser chamada de “prostituta, vagabunda e vadia”, mas nega ter revidado as agressões físicas.

Já o comerciante disse à PM, segundo o boletim de ocorrência, que estava parado com seu carro na porta da escola quando o veículo de Cristiana parou em fila dupla ao lado, impedindo a passagem de um ônibus que trafegava na direção contrária. Ele conta que abaixou o vidro do carro e pediu à mulher para dar ré e liberar a passagem do coletivo, mas a reação dela foi cuspir nele e dar vários socos em seu carro.

BATE-BOCA Cristiana Villas Boas disse à reportagem que voltava do almoço na casa de um irmão e o trânsito estava tumultuado na porta da escola, com muitos carros em fila dupla. “Ele parou o carro para a criança dele descer e percebeu que o ônibus estava vindo. Quando fui ultrapassá-lo, ele abaixou o vidro e me disse: ‘Sua idiota, você não viu que é para dar ré para o ônibus passar’. E eu respondi: ‘Idiota por quê? Você não me conhece’. Aí, ele continuou: ‘Então tá, sua prostituta, vagabunda, vadia. É para você dar ré para o ônibus passar’. Eu fiquei indignada e cuspi nele de dentro do carro”, contou a empresária.

Cristiana disse que voltou com o carro para o ônibus passar, mas comerciante já desceu do veículo com os punhos fechados e deu vários socos no seu rosto, dizendo que quebraria o seu nariz. Ainda de acordo com a empresária, a mulher do motorista danificou o carro com uma chave. “Ela arranhou o meu carro todo, furou o capô e bateu no teto. A mulher partiu para cima de mim gritando: ‘Você cuspiu no meu marido”. Um advogado tentou me defender. Ele conseguiu retirar o motorista cinco vezes de perto de mim, mas ele voltava e continuava me agredindo. O sangue escorria do meu nariz”, disse Cristiana.

FUGA A empresária conta que o casal entrou no carro e fugiu. A Polícia Militar foi chamada e conseguiu identificar parte da placa nas imagens de segurança da escola. Cristiana foi levada por uma filha à 1ª Delegacia, acompanhada pela PM, e para sua surpresa encontrou o casal na unidade policial, também registrando ocorrência.

LESÃO CORPORAL A empresária foi levada ao HPS, onde permaneceu das 15h às 21h. Depois, ela foi para a Central de Flagrantes do Barreiro, onde o casal já estava, e os três foram liberados às 3h da madrugada. Todos foram submetidos a exames no IML e a Polícia Civil vai aguardar os resultados para definir os crimes cometidos. “A princípio, houve crimes de lesão corporal, injúria e dano material. Vamos ouvir três testemunhas que presenciaram as agressões, inclusive, uma gravou um vídeo das agressões”, disse a delegada Cristiana Angelini. Os dois veículos serão periciados pelo Instituto de Criminalística.


A mulher do comerciante poderá responder pelos mesmos crimes do marido. A violência foi cometida com a participação da mulher, disse a delegada. “Ele relatou que todos os socos foram em legítima defesa, mas não podemos esquecer que foi agressão de um homem contra uma mulher, que é muito mais frágil fisicamente. A vítima admite que cuspiu nele, quando foi chamada de vagabunda, mas nada justifica um cuspe com um soco. A reação dele foi totalmente desproporcional, ainda mais na porta de uma escola, com várias crianças presenciando”, disse a delegada.

Procurado pela reportagem, Carlos Henrique Lapertosa não atendeu nem retornou as chamadas de celular. 

Intolerância ao extremo

Brigas de trânsito costumam gerar agressões físicas. No início do ano, uma desavença envolvendo um motociclista e um empresário por pouco não terminou em tragédia. Irritado com as manobras de um motorista de um Peugeot 408 branco na Avenida Barão Homem de Melo, Região Oeste da capital, um motociclistato deu um chute no retrovisor do veículo, mas acabou caindo no asfalto e só não foi esmagado pelo carro que vinha atrás porque o sinal havia acabado de fechar.

Há dois anos, o coordenador administrativo do Hospital das Clínicas da UFMG, Eduardo Gontijo, perdeu a mulher, Luciana Silva Martins Costa, de forma estúpida. “Minha sogra contou que elas seguiam para um shopping em Venda Nova quando um motoqueiro começou a chutar o carro. Pode ser que ela tenha o fechado, não se sabe. Mas ele a acertou com um soco e, como ela já tinha problemas cardíacos, acabou falecendo”, contou, na ocasião, Eduardo, que ajuda a filha pequena, que presenciou a agressão, a superar a perda da mãe.

Eduardo disse não ter esperança de mudança de comportamento dos motoristas. “Temos que dirigir para nós e para o outro. E mesmo assim precisamos torcer para ninguém esbarrar, bater ou cismar com a gente. Em um contexto de tanto estresse, qualquer coisa serve de estopim para uma briga”, afirmou à epoca.

As imagens captadas pelas câmeras de segurança de uma loja assustaram a população de Belo Horizonte em julho de 2013. O motociclista Elson Ferreira de Jesus, de 52 anos, e o empresário Armando Monducci Filho, de 58, discutiram por causa de um acidente de trânsito. 

Surpreendido pela raiva do motociclista, que era inabilitado, Armando foi atingido com cinco pauladas no meio da rua. O resultado foram nove costelas quebradas e um trauma toda vez que sai de carro. Armando disse ter medo de andar de carro depois do que aconteceu. 

Palavra de especialista 
Orestes Diniz,
professor do Departamento de Psicologia da UFMG


Estresse e barbárie ao volante 

“Temos que tomar consciência que vivemos em uma sociedade muito violenta, com taxas altíssimas de mortes no trânsito. Morrem  por ano mais pessoas em acidentes no trânsito do que soldados norte-americanos durante toda a guerra no Vietnã. E o estresse e a falta de regras no trânsito dificultam a convivência. Em muitos casos, as pessoas mudam de comportamento e se tornam altamente agressivas. Quando não há regras claras, temos a reinstauração da barbárie.”

Reajuste dos salários de servidores depende de sanção de Pimentel

Assembleia aprova em segundo turno aumento para servidores da saúde e da segurança pública. Falta a sanção de Pimentel, que conta com os depósitos judiciais para arcar com os pagamentos

Os aumentos aprovados em plenário vão
causar um impacto de R$ 39 milhões
na folha de pessoal
Estado de Minas
Os servidores da saúde, da defesa social e auditores internos do governo de Minas Gerais terão reajuste nos contracheques que vão causar impacto de R$ 39 milhões na folha de pessoal do estado. Com 47 votos, os deputados estaduais aprovaram nessa quinta-feira (2) em segundo turno os projetos de lei que trazem os novos vencimentos, abonos e benefícios das categorias, passando a concedê-los retroativamente a junho. Os textos seguem para a sanção do governador Fernando Pimentel (PT), que depende da aprovação de outro projeto – o que permite o uso de depósitos judiciais dos mineiros para custear despesas do estado – para conseguir arcar com os pagamentos em dia a partir de agosto.

Após manobra de Cunha, redução da maioridade penal pode parar no STF

Deputados acusam presidente da Câmara dos Deputados de “golpismo regimental”

Após manobra de Cunha, Câmara aprovou redução da idade penalLuis Macedo/1º.07.2015/Câmara dos Deputados
R7
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 323 votos favoráveis contra 155 contrários, na madrugada desta quinta-feira (2), a PEC (proposta de emenda à Constituição) 171, que propõe a redução penal de 18 para 16 anos. Foram registradas duas abstenções.
De acordo com o texto aprovado, adolescentes com mais de 16 anos poderão responder por crimes hediondos (como estupro, sequestro, latrocínio e homicídio qualificado, entre outros), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.
A votação aconteceu em meio a protestos de parlamentares do PT, PCdoB, PDT e PSB. Durante toda a sessão, os deputados acusaram o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de utilizar manobras regimentais para aprovar a proposta. 
A primeira sessão de debates, iniciada na noite de terça-feira (30), foi encerrada após a rejeição do relatório substitutivo do deputado Laerte Bessa (PR-DF), que previa a redução apenas nos casos de crimes considerados graves, como estupro e latrocínio, lesão corporal grave e roubo qualificado (quando há sequestro ou participação de dois ou mais criminosos, entre outras circunstâncias). 
No entanto, o presidente da Casa colocou novamente o tema em votação por meio de uma emenda aglutinativa, o que gerou revolta de parte do colegiado. 
A votação desta quinta ocorreu sem a presença de manifestantes na galeria do plenário, diferentemente da sessão de quarta, que foi acompanhada por representantes da UNE (União Nacional dos Estudantes) e da Ubes (União Brasileira de Estudantes Secundaristas), contrários à proposta, e parentes de vítimas de crimes cometidos por jovens infratores, favoráveis ao texto. 
A proposta ainda precisa ser apreciada pelo Senado Federal e em segundo turno pela Câmara dos Deputados.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Suspeito de desafiar a PM em pichação no muro do 18° Batalhão é apreendido em Contagem

Adolescente de 14 anos confessou ser o autor da frase "me prenda se for capaz", pichada na fachada da unidade policial durante a noite passada

Pichador desafiou a polícia a prendê-lo em
frase deixada no muro de batalhão da PM
Estado de Minas
Durou pouco a ousadia de um pichador que vandalizou o muro do 18° Batalhão da Polícia Militar, em Contagem, na Grande BH. Depois de deixar a frase “me prenda se for capaz (sic)” na fachada da unidade policial durante a noite passada, um adolescente de 14 anos foi apreendido na tarde desta quarta-feira e, segundo a corporação, confessou ser o autor da afronta à PM. 

Com o suspeito foram encontradas três garrafas pet cheias de tinta e spray usado em pichações. Questionado pelos militares sobre a participação crime ambiental – previsto no artigo 65 da Lei 9.605/98 –, A.G.C. confirmou ser o autor da frase e contou que vandalizou o muro para se tornar mais popular entre os pichadores. 

O adolescente já tem passagem anterior pela polícia por ter incendiado a Escola Municipal Dona Cordelina Silveira Mattos, também em Contagem, em 2013. Depois do registro da ocorrência, o menor será encaminhado com o responsável legal para a delegacia de plantão da cidade. 

Segunda afronta em dois dias
Na última segunda-feira, um bilhete que trazia xingamentos à PM foi deixado junto a um pacote próximo à casa de um militar reformado. Uma equipe do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi mobilizada por receio de haver algum explosivo dentro do pacote. No entanto, nada foi constatado e o caso foi encaminhado para a Polícia Civil.

Militares perseguem cavalos fora de controle na Avenida Cristiano Machado

Motoristas flagraram pelo menos quatro viaturas da PM perseguindo os animais até que fossem controlados. Via foi interditada por alguns instantes

Cavalos fugiram pela avenida e militares usaram
 viaturas para perseguir os animais
Estado de Minas
Policiais militares tiveram que fechar parte da Avenida Cristiano Machado, na noite desta quarta-feira, depois que dois cavalos da corporação se assustaram e saíram em disparada pela via. Motoristas que trafegavam pela avenida, no sentido centro/bairro, próximo à passarela de acesso à Igreja São Judas Tadeu e à estação do Move, foram orientados a diminuir a velocidade até que os animais fossem capturados.

Motoristas flagraram pelo menos quatro viaturas da PM perseguindo os animais até que fossem controlados, próximo ao número 1352, no Bairro Sagrada Família, na Região Leste da capital.

De acordo com o sargento Cláudio, do Regimento de Cavalaria Alferes Tiradentes (RCAT) da Polícia Militar, os cavalos provavelmente se assustaram com algum barulho do trânsito. Ainda conforme o militar, os policiais envolvidos informaram o grupamento pelo rádio comunicador e relataram que nem os animais não ficaram feridos nem causaram danos ou machucaram quem passava pelo local.
Confira o vídeo da perseguição aos cavalos da PM

Morte brutal de jovem grávida choca moradores de Ponte Nova

Mulher deixa população da cidade da Zona Mata estarrecida após dizer à polícia que matou gestante de nove meses, retirou o bebê e simulou parto para bombeiros e hospital

Gilmária Silva Patrocínio (D), de 33 anos, e o
andarilho Herly Marçal (primeiro à esquerda),
de 39, foram levados ao local do crime
pela polícia para fazer a reconstituição
Estado de Minas
Parentes e amigos de Patrícia Xavier da Silva, de 21 anos, procuram explicações para a brutalidade do crime que tirou a vida da funcionária de uma fábrica de laticínios em Ponte Nova, município de 57 mil habitantes, na Zona da Mata. A população está chocada, sem acreditar que a jovem, grávida de nove meses, foi morta com golpes de madeira e passou, desacordada, por um parto extremamente traumático, com cortes de gilete na barriga, e teve o filho roubado. Essas foram as condições a que Patrícia foi submetida, segundo Gilmária Silva Patrocínio, de 33 anos, presa ontem pela Polícia Civil. Ela confessou o crime aos delegados e investigadores e fez a reconstituição ontem.

A trama macabra de Gilmária foi descoberta quando a polícia recebeu informação de que uma mulher tinha dado entrada no hospital da cidade afirmando que teria dado à luz em casa, mas sem sinais de parto recente. Gilmária, que trabalha como cuidadora de idosos, apresentou várias versões, até admitir que premeditou o crime para ficar com o bebê.

Ela alegou à polícia que temia ser abandonada pelo marido caso não tivesse um filho com ele. “A autora diz que simulou uma gravidez e, sendo assim, uma hora a criança tinha que nascer. Ela inventou uma história de que tinha roupas de bebê e um berço para doação, conquistando a confiança da vítima. de quem já era conhecida”, informou o delegado Silvério Rocha Aguiar. Segundo ele, Gilmária já conhecia Patrícia, inclusive, chegou a colocar piercing no umbigo dela e de uma irmã.

O policial disse que Gilmária, ao chegar com Patrícia ao terreno onde pretendia praticar o crime, inventou outra história, dessa vez para encorajar a vítima a entrar no lote. “Já dentro da cena do crime, ela conta que se armou com um pedaço de madeira de uma cama desmontada e atacou Patrícia. Depois, a prendeu com uma caixa d’água vazia e desceu até a construção. Com o pedaço de madeira deu outro golpe no pescoço, causando hemorragia”, disse o delegado.

Os golpes finais foram duas incisões na barriga e no útero com lâminas de gilete para retirar a criança, colocá-la em um pano e uma caixa e seguir a pé até encontrar um táxi e ir para casa, de onde ligou para os bombeiros, que cortaram o cordão umbilical e a levaram ao hospital. 

RECONSTITUIÇÃO Depois da prisão de Gilmária e de um andarilho que morava no local onde o corpo de Patrícia foi encontrado, a polícia fez a reconstituição. O terreno abriga uma antiga lavanderia, no Bairro Vale Verde, mais afastado do Centro de Ponte Nova. Para chegar ao andarilho Herly Marçal, de 39, que já tem passagem na polícia por furto, os investigadores encontraram umCUPOM fiscal de um supermercado da cidade e o identificaram pelas câmeras de segurança do estabelecimento. Ele nega participação no crime.

Terreno escolhido para execução da trama
macabra abriga antiga lavanderia, no
Bairro Vale Verde, longe do Centro da cidade
A polícia também refez os últimos passos de Patrícia e descobriu, por meio de um cartão de ônibus, que ela havia ido ao Bairro Vale Verde. Testemunhas contaram que viram Patrícia na companhia de uma mulher com as características de Gilmária na região do crime.

Na entrada do terreno abandonado, parentes, amigos e moradores da cidade se juntaram esperando respostas, enquanto acontecia a reconstituição. O namorado de Patrícia, Leandro Carlos Gomes Dias, de 30 anos, que trabalha como auxiliar de manutenção, disse que a namorada saiu de casa na sexta-feira para uma consulta de rotina do seu pré-natal e não deu mais notícias: “Quando acordei, ela já tinha saído e depois não consegui mais contato. Inicialmente, imaginei que o celular tivesse descarregado”.

A Justiça de Ponte Nova decretou a prisão temporária de Marçal por 30 dias. A polícia aguarda agora a mesma decisão para Gilmária. O marido da assassina confessa foi ouvido e liberado, mas sua participação no crime bárbaro ainda não está descartada pela polícia.

CRUELDADE ABALA MORADORES A brutalidade cometida com a jovem Patrícia Xavier dominou a roda de conversas em Ponte Nova, ontem. Nas bancas de jornais, restaurantes, pontos de táxi e em qualquer esquina, as pessoas estavam perplexas com a crueldade. “Foi muito assustador pelo tamanho da violência que fizeram com ela. O que mais me assusta é que ela poderia estar viva quando a mulher cortou a barriga para tirar o neném”, lamentou Fabiana Costa, de 22 anos, que está desempregada. Caminhando com o filho de 2 anos no colo, ela disise que se lembrou de sua própria gravidez: “Eu me coloquei no lugar da Patrícia e pensei que poderia ter sido eu a vítima. Ninguém consegue acreditar nessa barbaridade”.

O eletricitário Giovani Roncali Alves, de 43, afirmou que é difícil imaginar um crime com tamanha crueldade. “Aqui em Ponte Nova, estamos acostumados com crimes motivados por drogas. Essa história está muito esquisita”.

Na Escola Estadual Coronel Cantídio Drumond, que fica em frente à Delegacia de Ponte Nova, as professoras Lucimar Maia, de 45, e Andréa Almeida, de 43, liberaram os alunos mais cedo, para evitar aglomeração na porta da delegacia na saída dos alunos. 

“A gravidez é quase sagrada. (O crime) é uma violação que ultrapassa qualquer limite de direitos humanos”, protestou Lucimar. “Ponte Nova está completamente chocada; essa situação diminui muito o ser humano”, acrescentou Andréa.

CASA MONTADA PARA RECEBER O BEBÊ Há exatamente uma semana, um sentimento de alegria estava espalhado pela casa da empregada doméstica Ivânia Xavier da Silva Gonzaga, de 37 anos, moradora do Bairro Cidade Nova, em Ponte Nova. Primogênita de seus cinco filhos (três mulheres e dois homens), Patrícia ajudava a preparar os docinhos para comemorar o aniversário de um ano da primeira neta de Ivânia, filha de de sua irmã. Na cabeça da jovem, certamente aquele momento se repetiria em breve, pois o pequeno Bernardo já estava em sua barriga com nove meses.

Com a casa toda montada aguardando a chegada do bebê, o namorado de Patrícia, Leandro Carlos Gomes Dias, de 30 anos, auxiliar de manutenção, afirma que está dividido por um sentimento de tristeza pela perda da companheira, mas de alívio por saber que a criança foi resgatada e está bem. “Só tenho lembrança boa da Patrícia. Mulher tranquila companheira, carinhosa, não dormia sem colocar a perna em cima de mim. Falava que queria tirar carteira de moto e viajar para BH”, contou.

Revoltada, uma tia da jovem não acreditava na tragédia. “Acabou a nossa vida. Como alguém pode fazer isso com quem nunca fez nada de mal para ninguém? Ela guardava uma máquina fotográfica na bolsa, para não perder a foto do primeiro dia de Bernardo, que estava quase nascendo”, desabafou Flávia Xavier da Silva, de 33.

Entrevista: Ivânia Xavier, de 37 anos, mãe de Patrícia, pretende criar o neto

Como era Patrícia como filha?

Era uma ótima filha, muito companheira. Ela queria reformar a casa, viver com o neném, construir uma família. Quando completou 18 anos, correu atrás de um emprego. Era uma menina cheia de sonhos, pronta para começar uma vida.

A senhora pretende criar a criança?

Sim, quero que ele fique comigo. Quero dar todo o amor possível para o meu neto, porque a minha filha foi tomada de mim. O que eu não pudefazer para ela, vou fazer para ele. Quero que fique esse pedaço, porque o outro já levaram.

Por que a senhora acha que sua filha foi vítima dessa barbaridade?

Não consigo pensar em nada que possa explicar uma coisa dessas. Quero escutar essa mulher falando porque fez isso, já que ela também tem filhos. Espero que a Justiça de Deus seja feita.